quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Jesus não é reconhecido em Nazaré

Reflexão à Luz do Evangelho de São Marcos 6, 1-6


Jesus não é reconhecido em Nazaré, porque a falta de fé dos que O ouviam na Sinagoga fê-los duvidar de que Ele era verdadeiramente filho de Deus, uma vez que era de condição humilde, filho do “carpinteiro José”!
Sendo testemunhas oculares dos seus milagres, não acreditaram que a Sua Sabedoria fosse divina, pois os seus corações estavam fechados à Boa Nova e Jesus admirou-se com a resistência do seu povo dirigindo-se para outros lugares, sem antes proferir:“ Um profeta só não é valorizado na sua própria terra, entre os parentes e na própria casa”!
Este Evangelho que tentei resumir questiona-me e leva-me a pensar em como tantas vezes não valorizo os que me estão mais próximos, os mais simples, os mais humildes, os que aparentemente nada têm, dando mais valor e importância a outros que mais afastados fazem apanágio dos seus atributos e nada são!
Como estou errada e cega, Senhor, como o teu povo de então e quanto a minha fé ainda é tão limitada! Como fecho o meu coração à Tua Palavra na recusa ao teu projeto salvífico!
Perdoa-me, Senhor, pela minha falta de fé e porque ainda não te sei amar e me afasto do teu caminho em vez de fazer de Ti morada no meu coração! 


 Oração
Ficai conosco, Senhor, 
acompanhai-nos, ainda que nem sempre tenhamos sabido reconhecer-vos. 
Ficai conosco, porque as sombras vão se tornando densas ao nosso redor, 
e vós sois a Luz; em nossos corações se insinua a desesperança, 
e vós nos fazeis arder com a certeza da Páscoa. 
Estamos cansados do caminho, 
mas vós nos confortais na fração do pão 
para anunciar aos nossos irmãos que na verdade vós ressuscitastes 
e nos destes a missão de ser testemunhas da vossa ressurreição.”
(Bento XVI)