sexta-feira, 17 de março de 2017

DEUS, A VINHA, E EU

Imagem da Net

Meditação do Evangelho de Mateus 21, 33-43, 45-46


A vinha foi plantada, cercada, e nela construída um lagar para esmagar as uvas. Foi posta uma torre de guarda e posteriormente arrendada. O proprietário preocupou-se com os mínimos detalhes, deixando para os vinhateiros, apenas o cuidado com a manutenção. No tempo da colheita, providenciaria uma forma de receber o lucro advindo do cultivo, vez que mudara-se para o estrangeiro. Eis a parábola que Jesus contou.

Assim fez Deus com a humanidade. Criou os astros, as estrelas, a terra, com suas matas, florestas, rios e mares, flores e ervas, animais, árvores frutíferas, e toda uma diversidade de riquezas naturais, deixando para os homens, apenas o cuidado com a manutenção da sua criação.

O que fizeram os vinhateiros da parábola? O que fizeram os humanos com a terra? O que fiz eu, Senhor? Qual foi a minha participação nesse processo de destruição?

Sim, porque movidos pela ganância os vinhateiros mataram os empregados do proprietário, e como se não bastasse, o seu próprio filho, e os humanos, por igual ganância, ou displicência, têm destruído a terra de forma assustadora.

E eu? Qual é a minha consciência em relação a esse problema tão grave? Será que me utilizei de forma indevida dos recursos naturais? Ajudei a poluir os rios e os mares? Joguei lixo nos esgotos? Empaturrei-me de geringonças eletrônicas e depois joguei ao léu as carcaças? Fui consumidora em excesso, de plástico, material que não é biodegradável? Racionei a água? A energia? Cuidei dos animais? Das plantas? Do ar? Cuidei das pessoas? Dei exemplos bons?

Ou será que matei, assim como os vinhateiros, a vida natural?

Meu Deus, quanta responsabilidade a minha! Sei que devo lhe prestar contas do que me confiaste na terra, pois, essa responsabilidade é de todos, e de cada um em particular.

Sei que errei, e muito. E erro ainda. Pois, não consegui de todo sair da minha zona de conforto, e por vezes não tenho os devidos cuidados com a sustentabilidade do planeta. Contribuo de forma negativa, eu sei.

Vem em socorro da minha fraqueza, e ajuda-me a me libertar do meu egoísmo e ignorância, e ser mais um soldado nas fileiras da luta e da defesa do meio ambiente, da mãe terra, preservando-a da destruição impiedosa. Em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo!