sexta-feira, 24 de março de 2017

Meu Mestre




Jo 4,5-15.19b-26.39a.40-42

 “Dá-me de beber”.

Jesus Amado, uma vez que me pediu água para mater minha própria sede, fiquei atônita e feliz ao mesmo tempo...

“Como é que tu, sendo judeu, pedes de beber a mim, que sou uma mulher samaritana?”

Sou uma samaritana amada, chamada e enviada pela sua Graça bendita...

“Se tu conhecesses o dom de Deus e quem é que te pede: ‘Dá-me de beber’, tu mesma lhe pedirias a ele, e ele te daria água viva”.

De fato, eu lhe pedia água para matar minha sede... quando o Senhor me apareceu numa enorme necessidade pessoal...

“Senhor, nem sequer tens balde e o poço é fundo. De onde vais tirar água viva? 

O Senhor tirou água sem precisar sequer de baldes externos pois eu tinha vários baldes dentro de mim: apegos desordenados muito enraizados...

“Todo aquele que bebe desta água terá sede de novo. Mas quem beber da água que eu lhe darei, esse nunca mais terá sede. E a água que eu lhe der se tornará nele uma fonte de água que jorra para a vida eterna”.


Nunca mais tive outras sedes mundanas... pela sua imensa bondade...



 “Senhor, dá-me dessa água, para que eu não tenha mais sede e nem tenha de vir aqui para tirá-la”. “Senhor, vejo que és um profeta!”





Nunca mais precisei de mendigar amor de qualquer um ou de qualquer pessoa pois minha autoestima foi curada, meu Deus e Senhor!



Deus é espírito, e aqueles que o adoram devem adorá-lo em espírito e verdade”.





O Senhor me ensinou a adorar, louvar e agradecer muito mais do que pedir e lamentar somente...

Era uma mendiga e sedenta de amor...



 “Sou eu, que estou falando contigo”.





Sei bem que, verdadeiramente, é o Filho de Deus, meu Salvador.

Obriagada, meu Mestre Amado... 








Uma santa e abençoada Quaresma a todos!