sexta-feira, 21 de abril de 2017

A PESCA MILAGROSA



Meditação do Evangelho de São João 21, 1-14

Imagem da Net

Quantas vezes naveguei por noites escuras, quase me afogando nas próprias lágrimas, noites infrutíferas, desanimadoras… quantas vezes procurei a saída, para situações aparentemente sem solução. Tudo me parecia tão superficial, tão sem sentido, tão sem chão… Nenhum peixinho parecia querer cair na minha rede.

Mas, ao amanhecer, quando o novo dia despontava, quando o sol enchia de luz a criação, milagrosamente tu me falavas ao coração, Senhor, enchendo-o de esperanças, norteando-me para o que considero verdadeiras pescas milagrosas.

E eu, apesar da minha pequenez, confiava em tua palavra, e me lançava ao mundo, sabendo que não estava só, e que tu poderias transformar qualquer situação de risco ou de dor, de dúvida ou de incerteza, de escassez ou de abandono, de solidão ou de medo, numa experiência de vida nova, de ressurreição.
Tu me conheces, Senhor, e sabes do que te falo, e do quão agradecida sou pelas pescas milagrosas de minha vida, que não foram poucas.

A alegria que sinto com cada conquista é ímpar. Mas, o mais admirável é perceber que cheguei diante de ti com mãos vazias, porém, voltei da noite escura com elas transbordando. E que quase não consigo esvaziar meu barco dos tantos peixes que peguei ao longo da minha história.

Hoje mesmo vou cear contigo. Não às margens do Mar de Tiberíades, mas, na minha singela Comunidade,onde dividiremos o pão sagrado, sinal da tua presença no meio de nós.

Cristo ressuscitou! Aleluia!!!