sexta-feira, 18 de agosto de 2017

O QUE DEUS UNIU... NÃO SEPARE!

Imagem da Net

Meditação do Evangelho de Mateus 19, 3 a 12


Senhor, a dureza de coração do ser humano, sua própria fraqueza, o induz a tentar Deus, buscando justificativas para as suas limitações e seus erros.

E sobre o casamento, a sagrada  instituição da família, perguntaram-lhe, para o tentar, obviamente: é permitido ao homem despedir sua esposa por qualquer motivo?

Vê-se aí, Senhor, um pensamento machista e egoísta, que se por acaso  encontrasse respaldo na Lei, pouco  importaria o sofrimento da esposa e dos filhos vítimas do suposto divórcio.

Mas, foste direto, e deixaste claro o pensamento de Deus. O casamento exige sacrifícios, renúncias, cumplicidade e muito amor. Quem não ama não deveria se casar, pois, este é uma laço forte, que não deve ser desatado.

No mundo moderno, relativista, para tudo se encontra justificativas. Até mesmo os laços sagrados do matrimônio são tratados com desprezo, com desrespeito, pura e simplesmente servem para atender necessidades de momento.

O resultado, dos casamentos desfeitos, do egoísmo que predomina, da família esfacelada, é trágico e bem nocivo à família e à sociedade. O que antes foi envolvido por uma aura de paixão, de entusiasmo e de mistério, acaba em desavença, separação e ressentimento.

Dá-nos, Senhor, a cada um de nós, compreender o nosso papel, e poder desempenhá-lo com responsabilidade, pensando sempre naqueles que são nossas vítimas potenciais.

Ilumina-nos, para que nos decidamos pela vocação a que nos chamaste, seja ela o matrimônio, a vida religiosa ou leiga, mas, que sejamos capazes, sejamos autênticos, e nos comportemos como verdadeiros construtores do Reino de amor, que é exigente, e nos quer íntegros, dignos vencedores dos desafios desta vida.

Salve a família!


Por Socorro Melo